» Artigo

Reengenharia: uma excelente opção para o empresário
(Fernando Gomiero,2002-03-25)

Com a queda das barreiras alfandegárias e a quebra dos monopólios e oligopólios, as empresas vêem-se obrigadas a reavaliar seus conceitos e valores, partindo para uma reestruturação que as tornem alinhadas aos novos tempos de proliferação da concorrência e acirrada disputa pelo mercado. Afinal, quem vacilar perde a vez e fica segurando a "lanterna". E a reengenharia surge no meio empresarial como uma poderosa arma contra as armadilhas existentes no mercado, imposição da atual conjuntura de economia globalizada.

A reengenharia não é uma ferramenta marcada pelo estigma do "facão", ou seja, ela não objetiva reduções de quadros através das traumatizantes demissões em massa (downsizing), que sempre vem à tona quando se cogita de implementar um projeto especial. Seus principais alvos são os velhos hábitos e os paradigmas que estão arraigados nas organizações, atrapalhando seu desenvolvimento e adequação às constantes mudanças do mercado e, em conseqüência, interferindo significativamente em seus lucros e resultados.

Sua principal característica, portanto, é a redefinição dos desenhos de uma organização, ou seja, reestruturar, aprimorar procedimentos, mudar atitudes e comportamentos, etc..., são as grandes prioridades dessa importante ferramenta de gestão.

O sucesso de sua implementação em qualquer empresa depende fundamentalment e do nível de receptividade conseguido com o grupo de colaboradores. Quanto mais eles estiverem esclarecidos a respeito dos detalhes do projeto, maior será a sua aceitação pelo grupo e maiores serão as chances de sucesso do empreendimento. Quer dizer, é absolutamente indispensável que se realize um trabalho de conscientização com todo o grupo, de modo a se evitar os indesejáveis choques culturais e resistências em massa às inovações, o que tornaria praticamente impossível uma boa execução e o êxito de todo o projeto. Por isso, é de suma importância que todos os cargos de liderança sejam ocupados por profissionais de comprovada capacidade e eficiência. Pessoas que agirão de acordo com a nova filosofia da empresa, no trabalho de conscientização de seus respectivos grupos e na condução do projeto, que será feito de forma gradual e segura.

Além disso, esses líderes devem ter em mente que o conjunto de atividades não deve ser enfocado como etapas diferenciadas e independentes na implementação e coordenação dos processos, mas sim como etapas interdependentes formando um só processo cuja finalidade é a de satisfazer os anseios e necessidades do consumidor. 

A empresa deve se livrar das amarras que a mantém prisioneira do excesso de burocracia e das constantes rixas entre seus departamentos e organizar em processos, do início ao fim, toda a sua cadeia produtiva, dando-lhe um enfoque sistêmico e uma visão holística.
Todos os envolvidos devem conhecer em detalhes todas as etapas do processo, a fim de possibilitar a substituição sem traumas, de eventuais desfalques no grupo. Um bom ambiente de trabalho, satisfação profissional e salários compatíveis com os oferecidos pela concorrência devem evitar sérios aborrecimentos para o empresário. Tudo isso vai possibilitar uma maior sinergia e integração entre os setores, líderes e colaboradores do meio organizacional, culminando com a excelência dos serviços e plena satisfação dos consumidores, que são os grandes responsáveis pelos resultados da organização. 


________________
Fernando Gomiero, 22, Administrador de Empresas
E-mail: fernandogomiero@uol.com.br
Outros artigos do autor

Fazer comentário

Enviar para amigo

Imprimir a página

Os textos aqui publicados são de responsabilidade de seus autores ou fontes e podem não expressar a opinião da Economiabr.net