.

O Mercantilismo

Conseqüência da ampliação de horizontes econômicos propiciada pelos descobrimentos marítimos do século XVI, o mercantilismo, apesar de apresentar variantes de país para país, esteve sempre associado ao projeto de um estado monárquico poderoso, capaz de se impor entre as nações européias.

Mercantilismo é a teoria e prática econômica que defendiam, do século XVI a meados do XVII, o fortalecimento do estado por meio da posse de metais preciosos, do controle governamental da economia e da expansão comercial. Os principais promotores do mercantilismo, como Thomas Mun na Grã-Bretanha, Jean-Baptiste Colbert na França e Antonio Serra na Itália, nunca empregaram esse termo. Sua divulgação coube ao maior crítico do sistema, o escocês Adam Smith, em The Wealth of Nations (1776; A riqueza das nações).

Para a consecução dos objetivos mercantilistas, todos os outros interesses deviam ser relegados a segundo plano: a economia local tinha que se transformar em nacional e o lucro individual desaparecer quando assim conviesse ao fortalecimento do poder nacional. A teoria foi exposta de maneira dispersa em numerosos folhetos, meio de comunicação então preferido pelos preconizadores de uma doutrina.

Programa da política mercantilista. Alcançar a abundância de moeda era, efetivamente, um dos objetivos básicos dos mercantilistas, já que, segundo estes, a força do estado dependia de suas reservas monetárias. Se uma nação não dispunha de minas, tinha de buscar o ouro necessário em suas colônias ou, caso não as tivesse, adquiri-lo por meio do comércio, o que exigia um saldo favorável da balança comercial -- ou seja, que o valor das exportações fosse superior ao das importações.

Para obter uma produção suficiente, deviam ser utilizados hábil e eficazmente todos os recursos produtivos do país, em especial o fator trabalho. Toda nação forte precisava possuir uma grande população que fornecesse trabalhadores e soldados, e ao mesmo tempo o mercado correspondente. As possessões coloniais deveriam fornecer metais preciosos e matérias-primas para alimentar a manufatura nacional, ao mesmo tempo em que constituíssem mercados consumidores dos produtos manufaturados da metrópole. Proibiam-se as atividades manufatureiras nas colônias, e o comércio, em regime de monopólio, era reservado à metrópole.

Em território nacional, o mercantilismo preconizou o desaparecimento das alfândegas interiores, a supressão ou redução dos entraves à produção forçados pelas corporações de ofício, o emprego de sistemas de contabilidade e acompanhamento das contas de receitas e despesas do estado, a troca de funcionários corruptos ou negligentes por outros honestos e competentes, a criação de uma fiscalização centralizada e a adoção de leis que desestimulassem a importação de bens improdutivos e de grande valor.

Avaliação do mercantilismo. A crítica mais abrangente do mercantilismo foi movida por Adam Smith, que denunciou a falsa identificação, feita por muitos teóricos dessa corrente econômica, entre dinheiro e riqueza. Com efeito, o forte protecionismo alfandegário e comercial, e a subordinação da economia das colônias à da metrópole, não tinham como fim último o desenvolvimento da manufatura nacional mas, como foi assinalado, a maior acumulação possível de metais nobres.

A economia clássica posterior, cujo principal representante foi Smith, preconizou, ao contrário, a livre atividade comercial e manufatureira em qualquer território -- colônia ou metrópole --, já que, segundo seus princípios, a riqueza não se identificava com o simples acúmulo de reservas monetárias, mas com a própria produção de bens. No século XX, porém, o economista britânico John Maynard Keynes retomou formulações do mercantilismo e afirmou a existência de similitudes entre sua própria teoria do processo econômico e a teoria mercantilista.

Independentemente das diversas análises econômicas a que foi submetido, o mercantilismo foi o instrumento que assegurou as condições econômicas e financeiras necessárias a garantir a expansão dos estados absolutistas europeus. Entre os representantes do mercantilismo distinguiu-se o francês Jean-Baptiste Colbert, ministro da Fazenda de Luís XIV, de tal importância que seu nome serviu para se cunhar o termo por que é conhecida a variante francesa do mercantilismo, o colbertismo.

Na Grã-Bretanha, além de Thomas Mun, sustentaram a mesma orientação James Steuart e Josiah Child, assim como na França Jean Bodin e Antoine de Montchrestien. Em Portugal, as primeiras reformas do marquês de Pombal revelam sua filiação à teoria mercantilista.

Tópicos relacionados:
História do Pensamento Econômico
Mercantilismo
Fisiocracia
Utilitarismo
Economia Clássica
Teoria Marxista
Teoria Keynesiana

 

... economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo economia Mercantilismo Cristianismo riqueza trabalho mercado David Hume Capitalismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo Mercantilismo