.

PROER - Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional

 Na madrugada do dia 4 de novembro de 1995, o governo federal redigiu a Medida Provisória (MP) número 1.179, publicada no Diário Oficial (DO) da União na segunda-feira subsequente. O teor da MP era o que muitos dos analistas e especialistas do mercado financeiro classificaram como “solução tardia” para a situação do sistema financeiro nacional: o Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional (Proer). A medida, transitória, veio para responder à nova realidade advinda com o Plano Real e promover o enxugamento do sistema financeiro através de fusões entre bancos, bem como aquisições, reorganizações societárias, e reestruturação de instituições. A medida serve tanto para bancos de varejo (com grande número de correntistas e agências e que atendem ao grande público) que estão com problemas de liquidez como para instituições financeiras que sonegam impostos, devem ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), ou que estão inscritos no Cadastro de Inadimplentes (Cadim).  O Plano Real, que entrou em vigor em primeiro de julho de 1994, reduziu a volatilidade dos mercados e a inflação, de cerca de 50% ao mês antes desta data, para menos de 2% nos meses seguintes, provocando alterações exorbitantes na cultura do País. Os bancos tiveram que se adaptar à nova mentalidade e se adequar à perda da receita inflacionária (float de 30% ao mês, em média). Muitas insituições de grande porte não conseguiram se encaixar nesse novo panorama e ameaçavam uma “quebradeira generalizada”. Caso isso acontecesse, a população perderia a confiança no sistema, “retiraria seu dinheiro dos bancos” e provocaria o desmantelamento de toda a economia. Além disso, houve a necessidade das instituições financeiras reduzirem os custos para manter a competitividade em relação a outros bancos. De acordo com um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), apenas os seis maiores bancos privados do País embolsaram, em 1993, o equivalente a R$ 5,1 bilhões às custas da inflação. No ano passado, o ganho caiu para R$ 344 milhões. Para compensar, as instituições aumentaram suas receitas com operações, de R$ 4,1 bilhões em 93 para R$ 13,8 milhões em 1995. Além disso, praticamente dobraram os ganhos com as tarifas cobradas na prestação de serviços.

A Carta Constitucional de 1988, no entanto, já havia facilitado a multiplicação dos bancos, que passaram a existir também em outra modalidade: os bancos múltiplos. Até o final de 95, existiam no Brasil cerca de 250 bancos nacionais e a expectativa do Executivo era de que esse número se reduza a cem na realidade pós-Real, o equivalente à uma redução de 150%.

O governo esperava que a MP reduzisse à metade o tamanho atual do sistema financeiro, promovendo o enxugamento e a incorporação de instituições. Até o final de junho de 1995, o Estado já tinha gasto mais de 14 bilhões de reais com o socorro financeiro aos bancos privados, de acordo com o diretor de normas do Banco Central, Cláudio Mauch.

O Proer foi criado, então, para garantir a calma e a estabilidade no sistema financeiro nacional, além de assegurar os baixos índices inflacionários, que poderiam ser revertidos se o dinheiro depositado nas instituições fosse jogado no sistema. De acordo com palavras do subprocurador-geral do BC, Manuel de Loyola, a medida veio para “assegurar liquidez e solvência ao sistema financeiro nacional e resguardar os interesses dos depositantes e dos investidores.  Os trabalhadores brasileiros também foram responsáveis por uma vértice do triângulo de problemas que desembocaram no Proer. A estabilidade econômica aumentou o consumo da população, que se viu em maiores e melhores condições de adquirir todos aqueles bens que outrora não podia sequer imaginar em comprar devido à inflação. Essa situação eufórica refletiu o despreparo das pessoas em elaborar um sistema econômico doméstico de médio e longo longo prazo. Assim, o consumo exagerado, a médio prazo, estancou a capacidade de respostas às dívidas dos cidadãos, que então começaram a fazer parte do cadastro de inadimplentes.  A MP permitiu que os bancos “bons” que comprassem as instituições em dificuldades e problemas de caixa pudessem abater do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) todas as dívidas do novo banco adquirido, ou seja, o valor dos empréstimos considerados de recebimento duvidoso nos balanços. O interesse para os bancos em poder abater essas despesas acontece em função da política de juros e de restrições ao crédito do governo, que provocaram uma onda recorde de inadimplência que afetou o balanço dos bancos.

O dinheiro utilizado pelo Proer foi proveniente do próprio sistema financeiro, dos depósitos compulsórios que os bancos são obrigados a fazer sobre todos os depósitos à vista que recebem, e que são utilizados como garantia pelo BC. A polêmica que acusava o governo de utilizar dinheiro dos cofres públicos (Tesouro) para salvar os banqueiros nasceu da falta de comunicação entre ambas as partes. O problema do programa de socorro aos bancos privados é que o BC aceita como forma de pagamento títulos da União de longo prazo, com vencimento em 30 anos, prorrogando o recebimento de seus empréstimos.  O Proer previu também a criação de um seguro-depósito de até R$ 20 mil para os correntistas dos bancos sob intervenção e a inclusão do patrimônio pessoal dos controladores das instituições - e também das participações desses bancos em outras empresas - como garantia para a obtenção das linhas de crédito. Houve o compromisso, ainda, de que o BC enviasse todos os relatórios sobre operações do Programa ao Senado. Outra regra do programa era a obrigatoriedade de ressarcimento ao Erário, caso houvesse prejuízo na aplicação dos recursos públicos. O ressarcimento seria feito com o patrimônio dos responsáveis pelos bancos.

Ao Banco Central coube o acúmulo das moedas podres provenientes dos pagamentos dos empréstimos concedidos, que ultrapassam os R$ 3,6 bilhões. O Proer beneficiou as instituições meticulosamente avaliadas com a possibilidade de ressarcir o empréstimo do Banco Central com moedas podres (títulos do governo de difícil recebimento), e estima acumular R$ 13,2 milhões nesses títulos sem valor de mercado. De acordo com matéria da Folha de São Paulo, cerca de 60% dos recursos desembolsados pelo programa de fusões foram usados para comprar com desconto, junto a outros bancos, os títulos que serviriam para pagar os títulos emprestados do BC. Em outras palavras, a instituição que utilizou o Proer gastou mais da metade dos recursos para comprar moedas podres no valor de mercado de outras instituições, e repassou estes papéis ao governo pelo valor de face, diminuindo sua perda de dinheiro. O volume de R$ 13,2 bilhões em moeda podre, de acordo com o governo e o mercado, significava, em junho de 1995, praticamente a metade dos R$ 28 bilhões existentes em circulação.  O Proer e todo o seu aparato legislativo ainda mexeram com a Lei das Sociedades Anônimas (S/A), ao extinguir do direito de retirada dos acionistas minoritários em caso de fusões e aquisições de bancos através da desobrigatoriedade dessas instituições de seguir os artigos da Lei 6.064, que prevêem o direito de retirada e a realização de oferta pública aos acionistas minoritários quando houver operações de incorporação, fusão e cisão de empresas abertas. Ou seja, os acionistas minoritários que discordassem da fusão tinham o direito de reembolso de suas ações pelo valor patrimonial garantido pela Lei das S/As. Hoje, a maior parte das ações dos bancos está cotada em bolsa de valores abaixo de seu valor patrimonial. Portanto, no caso de uma fusão, a regra anterior poderia provocar um gasto alto dos novos controladores durante o processo.  O Proer foi extinto em dezembro de 1995.

A partir daí, o os grandes aplicadores tiveram que arcar sozinhos com os riscos dos investimentos. O Fundo Garantidor de Crédito, no entanto, continuou dando proteção às aplicações em conta corrente, poupança e fundos de investimentos até o limite de R$ 20 mil.  O Proer concedeu crédito a diversas operações. A transferência do Banco Nacional ao Unibanco foi a primeira e mais cara das transferências, custando R$ 5,898 bilhões ao BC. O Excel, que assumiu o controle do Econômico, consumiu R$ 4,636 bilhões, sendo que R$ 1,686 bilhão deste total foi utilizado para que a Caixa Econômica Federal asumisse os financiamentos imobiliários (habitacionais) do banco baiano. A absorção do Banorte pelo Bandeirantes, por sua vez, gastou R$ 540 milhões. Além destas fusões e incorporações, foi financiada ainda a compra do Banco Antônio de Queiroz pelo United e do Mercantil de Pernambuco pelo Rural.  O BC, em junho, informou que já haviam sido recuperados R$ 3,6 bilhões do total emprestado, estimado, hoje, em R$ 14 bilhões.

Tópicos relacionados:
Proer - Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional
SFH - O Sistema Financeiro de Habitação
Lei de patentes
Previdência Social
Conselho Monetário Nacional
Banco Central do Brasil

 

... PROER Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional PROER Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional PROER Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional PROER Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER PROER