.

Desenvolvimento Sustentável: Histórico

A preocupação da comunidade internacional com os limites do desenvolvimento do planeta datam da década de 60, quando começaram as discussões sobre os riscos da degradação do meio ambiente. Tais discussões ganharam tanta intensidade que levaram a ONU a promover uma Conferência sobre o Meio Ambiente em Estocolmo (1972). No mesmo ano, Dennis Meadows e os pesquisadores do “Clube de Roma” publicaram o estudo Limites do Crescimento. O estudo concluía que, mantidos os níveis de industrializaçào, poluição, produção de alimentos e exploração dos recursos naturais, o limite de desenvolvimento do planeta seria atingido, no máximo, em 100 anos, provocando uma repentina diminuição da população mundial e da capacidade industrial. O estudo recorria ao neo-malthusianismo como solução para a iminente “catástrofe”. As reações vieram de intelectuais do Primeiro Mundo (para quem a tese de Meadows representaria o fim do crescimento da sociedade industrial) e dos países subdesenvolvidos (já que os países desenvolvidos queriam “fechar a porta” do desenvolvimento aos países pobres, com uma justificativa ecológica).

Em 1973, o canadense Maurice Strong lançou o conceito de ecodesenvolvimento, cujos princípios foram formulados por Ignacy Sachs. Os caminhos do desenvolvimento seriam seis: satisfação das necessidades básicas; solidariedade com as gerações futuras; participação da população envolvida; preservação dos recursos naturais e do meio ambiente; elaboração de um sistema social que garanta emprego, segurança social e respeito a outras culturas; programas de educação. Esta teoria referia-se principalmente às regiões subdesenvolvidas, envolvendo uma crítica à sociedade industrial. Foram os debates em torno do ecodesenvolvimento que abriram espaço ao conceito de desenvolvimento sustentável.

Outra contribuição à discussão veio com a Declaração de Cocoyok, das Nações Unidas. A declaração afirmava que a causa da explosão demográfica era a pobreza, que também gerava a destruição desenfreada dos recursos naturais. Os países industrializados contribuíam para esse quadro com altos índices de consumo. Para a ONU, não há apenas um limite mínimo de recursos para proporcionar bem-estar ao indivíduo; há também um máximo.

A ONU voltou a participar na elaboração de um outro relatório, o Dag-Hammarskjöld, preparado pela fundação de mesmo nome, em 1975, com colaboração de políticos e pesquisadores de 48 países. O Relatório Dag-Hammarskjöld completa o de Cocoyok, afirmando que as potências coloniais concentraram as melhores terras das colônias nas mãos de uma minoria, forçando a população pobre a usar outros solos, promovendo a devastação ambiental. Os dois relatórios têm em comum a exigência de mudanças nas estruturas de propriedade do campo e a rejeição pelos governos dos países industrializados.

No ano de 1987, a Comissão Mundial da ONU sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), presidida por Gro Harlem Brundtland e Mansour Khalid, apresentou um documento chamado Our Common Future, mais conhecido por relatório Brundtland. O relatório diz que “Desenvolvimento sustentável é desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem suas próprias necessidades”. O relatório não apresenta as críticas à sociedade industrial que caracterizaram os documentos anteriores; demanda crescimento tanto em países industrializados como em subdesenvolvidos, inclusive ligando a superação da pobreza nestes últimos ao crescimento contínuo dos primeiros. Assim, foi bem aceito pela comunidade internacional.

A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, em 1992, mostrou um crescimento do interesse mundial pelo futuro do planeta; muitos países deixaram de ignorar as relações entre desenvolvimento sócio-econômico e modificações no meio ambiente. Entretanto, as discussões foram ofuscadas pela delegacão dos Estados Unidos, que forçou a retirada dos cronogramas para a eliminação da emissão de CO2 (que constavam do acordo sobre o clima) e não assinou a convenção sobre a biodiversidade.

* Segundo Hildebrando Accioly, no Manual de Direito Internacional Público: - Tratado e Convenção podem ser usados como sinônimos, pois não diferem quanto à estrutura. Para os Estados que assinam o tratado, ele tem força de lei. - Declaração serve para proclamar princípios de Direito Internacional ou para esclarecer e interpretar algum ato internacional anterior.

Para saber mais:

Bursztyn, Marcel. Para Pensar o Desenvolvimento Sustentável.

Cavalcanti, Clóvis (org.). Desenvolvimento e Natureza: Estudos para uma Sociedade Sustentável.

Hogan, Daniel J. e Vieira, Paulo Freire (org.). Dilemas Socioambientais e Desenvolvimento Sustentável.

May, Peter Herman e Serôa da Motta, Ronaldo (org.). Valorando a Natureza: Análise Econômica para o Desenvolvimento Sustentável.

Sachs, Ignacy. Ecodesenvolvimento: Crescer sem Destruir. (Bibl. Geografia)

Links:

International Institute for Sustainable Development (IISD): http://iisd1.iisd.ca/
The WWW Virtual Library: http://www.ulb.ac.be/ceese/sustvl.html - permite o acesso a inúmeros outros sites sobre Desenvolvimento Sustentável, inclusive da ONU, com os documentos da Rio’92.

Fontes:

Prof. Henrique Rattner (IPT). Tel.: 869-5662 / 819-1532.
Prof. José Eli da Veiga (FEA / Fipe). Tel.: 818-6056 / 818-5883. Fax: 814-3379.
Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PROCAM).
Cidade Universitária, Colmeias, Favo 15. Tel.: 818-3235.

Tópicos relacionados:

Histórico do Desenvolvimento Sustentável
Conceito de Desenvolvimento Sustentável
Transportes
Saneamento Básico

 

... Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável