.

O Sistema Financeiro Nacional

As autoridades monetárias:

  • O Conselho Monetário Nacional: o CMN acaba sendo o conselho de política econômica do país, visto que o mesmo é responsável pela fixação das diretrizes da política monetária, creditícia e cambial. Atualmente, seu presidente é o próprio Ministro da Fazenda.

  • O Banco Central do Brasil: o BACEN é o órgão responsável pela execução das normas que regulam o SFN. São suas atribuições agir como: banco dos bancos, gestor do SFN, executor da política monetária, banco emissor e banqueiro do governo. É muito discutida a elevação do grau de independência do BACEN. Diversas discussões apresentam pontos positivos e negativos de tal alteração www.bc.gov.br

Autoridades de apoio:

  • A Comissão de Valores Mobiliários: a CVM é um órgão normativo voltado ao mercado de ações e debêntures. Ela é vinculada ao Governo Federal e seus objetivos podem sintetizados em apenas um: o fortalecimento do mercado acionário. www.cvm.gov.br

  • O Banco do Brasil: até janeiro de 1986 o BB assemelhava-se a uma autoridade monetária mediante ajustamentos da conta movimento do BACEN e do Tesouro Nacional. Hoje, é um banco comercial comum, embora responsável pela Câmara de Confederação. www.bb.com.br

  • O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social: contando com recursos de programas e fundos de fomento, o BNDES é responsável pela política de investimentos de LP do Governo e, a partir do Plano Collor, também pela gestão do processo de privatização. É a principal instituição financeira de fomento do Brasil por impulsionar o desenvolvimento econômico, atenuar desequilíbrios regionais, promover o crescimento das exportações, dentre outras funções. www.bndes.gov.br

  • A Caixa Econômica Federal: a CEF caracteriza-se por estar voltada ao financiamento habitacional e ao saneamento básico. É um instrumento governamental de financiamento social. www.cef.gov.br

Instituições financeiras:

  • Os Bancos Comerciais: os BC são intermediários financeiros que transferem recursos dos agentes superavitários para os deficitários, mecanismo esse que acaba por criar moeda através do efeito multiplicador. Os BC's podem descontar títulos, realizar operações de abertura de crédito simples ou em conta corrente, realizar operações especiais de crédito rural, de câmbio e comércio internacional, captar depósitos à vista e a prazo fixo, obter recursos junto às instituições oficiais para repasse aos clientes, etc.

  • Os Bancos de Desenvolvimento: o já citado BNDES é o principal agente de financiamento do governo federal. Destacam-se outros bancos regionais de desenvolvimento como, por exemplo, o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), o Banco da Amazônia, dentre outros.

  • As Cooperativas de Crédito: Equiparando-se às instituições financeiras, as cooperativas normalmente atuam em setores primários da economia ou são formadas entre os funcionários das empresas. No setor primário, permitem uma melhor comercialização dos produtos rurais e criam facilidades para o escoamento das safras agrícolas para os consumidores. No interior das empresas em geral, as cooperativas oferecem possibilidades de crédito aos funcionários, os quais contribuem mensalmente para a sobrevivência e crescimento da mesma. Todas as operações facultadas às cooperativas são exclusivas aos cooperados.

  • Os Bancos de Investimentos: os BI captam recursos através de emissão de CDB e RDB, de capitação e repasse de recursos e de venda de cotas de fundos de investimentos. Esses recursos são direcionados a empréstimos e financiamentos específicos à aquisição de bens de capital pelas empresas ou subscrição de ações e debêntures. Os BI não podem destinar recursos a empreendimentos mobiliários e têm limites para investimentos no setor estatal.

  • Sociedade de Crédito, Financiamento e Investimentos: as "financeiras" captam recursos através de letras de câmbio e sua função é financiar bens de consumo duráveis aos consumidores finais (crediário). Tratando-se de uma atividade de alto risco, seu passivo é limitado a 12 vezes seu capital mais reservas.

  • Sociedade Corretoras: essas sociedades operam com títulos e valores mobiliários por conta de terceiros. São instituições que dependem do BACEN para constituírem-se e da CVM para o exercício de suas atividades. As "corretoras" podem efetuar lançamentos de ações, administrar carteiras e fundos de investimentos, intermediar operações de câmbio, dentre outras funções.

  • Sociedades Distribuidoras: tais instituições não têm acesso às bolsas como as Sociedades Corretoras. Suas principais funções são a subscrição de emissão de títulos e ações, intermediação e operações no mercado aberto. Elas estão sujeitas a aprovação pelo BACEN.

  • Sociedade de Arrendamento Mercantil: operam com operações de "leasing" que tratam-se de locação de bens de forma que, no final do contrato, o locatário pode renovar o contrato, adquirir o bem por um valor residencial ou devolver o bem locado à sociedade. Atualmente, tem sido comum operações de leasing em que o valor residual é pago de forma diluída ao longo do período contratual ou de forma antecipada, no início do período. As Sociedades de Arrendamento Mercantil captam recursos através da emissão de debêntures, com características de longo prazo.

  • Associações de Poupança e Empréstimo: são sociedades civis onde os associados têm direito à participação nos resultados. A captação de recursos ocorre através de caderneta de poupança e seu objetivo é principalmente financiamento imobiliário.

  • Sociedades de Crédito Imobiliário: ao contrário das Caixas Econômicas, essas sociedades são voltadas ao público de maior renda. A captação ocorre através de Letras Imobiliárias depósitos de poupança e repasses de CEF. Esses recursos são destinados, principalmente, ao financiamento imobiliário diretos ou indiretos.

  • Investidores Institucionais: os principais investidores institucionais são: Fundos Mútuos de Investimentos: são condomínios abertos que aplicam seus recursos em títulos e valores mobiliários objetivando oferecer aos condomínios maiores retornos e menores riscos. Entidades Fechadas de Previdência Privada: são instituições mantidas por contribuições de um grupo de trabalhadores e da mantenedora. Por determinação legal, parte de seus recursos devem ser destinados ao mercado acionário. Seguradoras: são enquadradas coo instituições financeiras segundo determinação legal. O BACEN orienta o percentual limite a ser destinado aos mercados de renda fixar e variável.

  • Companhias Hipotecárias: dependendo de autorização do BACEN para funcionarem, tem objetivos de financiamento imobiliário, administração de crédito hipotecário e de fundos de investimento imobiliário, dentre outros.

  • Agências de Fomento: sob supervisão do BACEN, as agências de fomento captam recursos através dos Orçamentos públicos e de linhas de créditos de LP de bancos de desenvolvimento, destinando-os a financiamentos privados de capital fixo e de giro.

  • Bancos Múltiplos: como o próprio nome diz, tais bancos possuem pelo menos duas das seguintes carteiras: comercial, de investimento, de crédito imobiliário, de aceite, de desenvolvimento e de leasing. A vantagem é o ganho de escala que tais bancos alcançam.

  • Bancos Cooperativos: são verdadeiros bancos comerciais surgidos a partir de cooperativas de crédito. Sua principal restrição é limitar suas operações em apenas uma UF, o que garante a permanência dos recursos onde são gerados, impulsionando o desenvolvimento local

Tópicos relacionados:
Teoria das finanças públicas
• O Sistema Financeiro Nacional
• As finanças e o Estado
• Histórico do sistema tributário brasileiro
• Crises financeiras
• Dívida Pública
As finanças públicas brasileiras entre 1981 e 1994
As finanças públicas brasileiras antes de 1980

 

... Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública Teoria das finanças públicas Histórico do sistema tributário brasileiro crise financeira As finanças e o Estado O Sistema Financeiro Nacional Dívida Pública