Artigos Temáticos :: Países

Um país refeito pelas redes econômicas globais
O sucesso da economia mexicana correspondeu à disponibilização do seu território, com seus recursos naturais, suas estruturas econômicas e sua população, para um replanejamento unilateral por parte das empresas norte-americanas. Os fatores econômicos internos foram redesenhados como múltiplas áreas de enclave.
(Luis Fernando Novoa Garzon, 2002-09-01)

Os erros do Brasil
No Brasil, tributa-se mais o trabalho do que o capital. Comete-se o erro de tributar a pouca renda dos mais pobres, ao passo que as grandes fortunas, saem incólumes desse processo de tributação (..) 
(Marcus Eduardo de Oliveira, 2001-11-18)

Na Argentina os dólares fugiram de avião
Enquanto cresciam as manifestações de rua, num único dia, 350 carros-fortes viajaram até o aeroporto de Ezeiza. Levaram uma fortuna em dólares.
(EconomiaNet, 2002-01-20)

Boas da Malásia
Longe dos holofotes, a Malásia, nossa velha companheira de farra, em rota de submersão, resolveu infringir as regras de boa conduta do FMI e cometeu o que há de mais herético no mundo das finanças internacionais: o controle de capitais (...) desobrigada de disputar a juros os aflitos capitais internacionais, a Malásia teve o êxito de escapar da ciranda viciada que empurra economias “emergentes” a se endividarem cada vez mais, quanto menores forem as suas condições de saldar seus compromissos externos. Graças ao controle de capitais, a Malásia pôde retomar o crescimento econômico sem ter de comprometer outros fundamentos importantes de sua economia
(Marcelo Manzano, 03-01-2002)

O equilíbrio fiscal dos EUA no longo prazo está em risco, diz Krugman
Um passo necessário, para o economista, seria acelerar o fluxo de gastos do governo para a economia. Krugman lembrou que uma das lições da crise asiática, como disse então Stanley Fischer do FMI, foi que "o keynesianismo está vivo e passa bem", pois o aumento dos gastos governamentais ajuda a economia. E os gastos adicionais decorrentes do ataque — US$ 45 bilhões até agora, muito mais por vir — acabarão imprimindo um grande impulso à economia. 
(*EconomiaNet, 2001-10-01)

O Brasil vem perdendo grandes fatias de mercados externos para China e México
Dados da OMC indicam que as exportações do Brasil vêm perdendo enormes fatias de mercado para produtos concorrentes de nações como China e México. E há ceticismo sobre a capacidade de o país reverter a situação em meio à desaceleração econômica global, em que todo mundo quer exportar e não importar.
(InvestNew, 2001-09-08)

FMI quer enviar inspetores ao Japão para monitorar bancos
O Fundo Monetário Internacional pediu permissão ao Japão para enviar inspetores para monitorar o sistema bancário do país, em mais um sinal das crescentes preocupações em relação à estabilidade da maior economia da Ásia
(Reuters, 2001-09-02)

Holanda, país preferido para fazer negócios até 2005
A Holanda é o país com mais atrativos para se fazer negócios até o ano de 2005. O país ficou à frente dos EUA, que passou para o segundo lugar, e da Grã-Bretanha, terceira colocada. A avaliação foi feita pelo grupo britânico de pesquisa The Economist Intelligence Unit (EIU)
(AFP, 2001-08-28)

México sente os efeitos da desaceleração norte-americana
México tem sido arrastado para a recessão por causa da claudicante economia americana, prejudicando a vida de milhões de mexicanos e as aspirações políticas do presidente Vicente Fox
(The New York Times, 2001-08-26)

África do Sul debate lei de monitoramento
O projeto ainda diz que nenhum provedor de Internet pode "oferecer qualquer serviço de telecomunicação que não possa ser monitorado" e diz que o provedor é responsável por "decodificar qualquer informação encriptada por qualquer cliente, caso o sistema de encriptação tenha sido fornecido pela empresa".
(Wired, 2001-08-28)

A receita dos países desenvolvidos
Os fatos comprovam. O protecionismo dos países desenvolvidos é um dos principais obstáculos para a inserção das economias em desenvolvimento no comércio internacional. Entretanto os ricos pregam o livre comercio e sempre que podem acusam os pobres de protecionismo e de oferecerem subsídios à sua produção.
(Allan Claiton de Oliveira, 2001-08-05)

Busca no site